Em defesa dos Adolescentes

O texto que se segue é da autora Elizabeth Gilbert, intitula-se “Em defesa dos Adolescentes”, mas podia igualmente ser “olhar para os Adolescentes de um ponto de vista saudável e positivo”.
A sociedade passa grande parte do tempo a falar das “patologias” e do desviante quando se refere à adolescência, focando-se pouco no lado saudável e “normal” da mesma.
Por vezes os adolescentes são tratados como incapazes e “difíceis”… mas é o oposto, são indivíduos no auge do seu desenvolvimento e com todos os sonhos do mundo… 
Aconselhamos este texto a todos, adultos e adolescentes. Boa leitura 😉

Susana C. Garrido Bárrios (psicóloga)


“Eu estava a falar recentemente num evento público, quando uma linda adolescente de 17 anos, se levantou na plateia e perguntou: Que conselho daria aos jovens da minha geração? E onde acha que estamos errados?

Olhei para ela com firmeza e disse: Sabe o que há de errado com a sua geração?

Ela retorquiu: Diga-me.

Eu respondi: Nada. Absolutamente nada. Eu amo a sua geração. Vocês são maravilhosos. E não dê ouvidos a quem diz o contrário.

O alívio no rosto dela foi instantâneo e imensurável. Estava claro que ela ainda nunca ouvira uma coisa boa sobre a sua geração.

Mas eu quis dizer isso mesmo.

Os adolescentes de hoje são mais sensíveis, menos violentos, menos racistas, mais compassivos, mais ambientalmente conscientes, menos dogmáticos e, em geral, os mais amáveis grupos de jovens que o nosso país já conheceu.

Eles foram criados para serem gentis e foram incentivados a serem tolerantes uns com os outros. Eles não fumam, não bebem não batem tanto uns nos outros como os da minha geração. Eles nem sequer têm tanto o sexo como a minha geração tinha.

Eles são um pouco mimados, um pouco “soft”?

via tumblr

Sem dúvida. E este mundo poderia usar mais suavidade com eles e muito menos de resistência.

Verdadeiramente, eles são mais suaves do que nós éramos na idade deles.

Então, vamos ser gentis com eles, em troca.

Vamos dar uma pausa e parar de reclamar contra eles.

Eles são perfeitos? É claro que não – são adolescentes. Será que têm períodos curtos de atenção? Claro, mas nunca houve um adolescente que tivesse um tempo de atenção muito longo? Será que eles ouvem música que ofende e até assusta os adultos? Tanto Faz. (Quando eu era adolescente, os adultos ficaram aterrorizados porque a música satânica poderia destruir a alma de toda a nossa geração e a barriga de Madonna faria crer que todos nós poderíamos ser strippers – e agora há alguém preocupado com a ameaça de música satânica ou barriga de Madonna?) Confie em mim, as provocações sexuais dos adolescentes, um dia, em retrospetiva, vão parecer inofensivas.

Alguns adolescentes parecem “idiotas”? Claro, mas mostra-me uma geração em que isso não se verificasse. Eu defendo, na verdade, que esta é a geração menos “idiota”.

Os adolescentes de hoje parecem menos motivados e ambiciosos do que as gerações do passado? É possível pois eles veem que os mais velhos se conduzem eles próprios num frenesi de dívida e depressão através de um constante esforço de consumismo?

E há, talvez, melhores virtudes do que a mera ambição?

Acho que sim.

Veja este exemplo. Eu conheço um menino de 17 anos, que recentemente convidou o seu vizinho gay de 17 anos (o seu melhor amigo de infância) para um baile. O menino queria que seu amigo gay desfrutasse do baile, e o menino gay não tinha companhia, por isso o convidou. Eles alugaram smoking e limusine, tiraram fotos, dançaram, divertiram-se. E ninguém fez comentários. Para mim isto é um verdadeiro milagre – e o garoto de 17 anos não conseguia entender porque eu pensava assim. Para ele, era simples: gostava do seu amigo e não via razão para não poderem ir ao baile juntos, como amigos. Nada sobre a situação o fez se sentir ameaçado, no mínimo. Nem os seus colegas viam isto com estranheza.

Tal cenário teria sido impensável na minha escola de volta em 1987, onde as crianças que pareciam gay eram intimidadas, não só pelos seus colegas, mas, por vezes, até mesmo por seus professores. E eu fui para a escola no Nordeste liberal. Nós nos consideramos progressistas!

Ainda temos mais para ir? Claro, mas as minhas esperanças são de que esta geração vai manter nos mostrando o caminho para uma maior bondade.

Se você tem um adolescente em sua vida, em seguida, tente apreciar ele ou ela. Eu sei que eles podem ser de enlouquecedor, mas eles também são algo muito especial. (E como o meu avô de 102 anos de idade disse uma vez para uma sala cheia de seus descendentes, que estavam reclamando sobre crianças hoje em dia, “Hey! Eu sabia tudo de você quando você tinha 14 anos, e você era tudo difícil. Mas todos vocês transformaram fora muito bom. Essas crianças vão sair bem, também. “)

Na verdade, eu acho que eles vão sair ótimo.

E se você é um adolescente (que eu sei que é pouco provável, porque este é o Facebook, não Instagram, ou Snapchat) só sei que eu acho que você é fantástico. Admiro a sua geração imensamente. Não deixe ninguém tentar dizer-lhe que estávamos melhor do que você quando tinham a sua idade. Confie em mim: não estávamos melhor. Eu estava lá. Eu lembro.

Eu não posso esperar para ver o que esta geração vai fazer do mundo, com tanta decência e tal compaixão criados em seus ossos.

É um momento emocionante na história, e um bom tempo. Acredite em mim”

Para partilharShare on FacebookShare on LinkedInTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page
Publicado em Adolescência, Destaques, Pais e Filhos, Partilhas, Psicologia